Deve ser consequência do período de eleição, da última CPI escandalosa ou simplesmente a falta de mais assunto unida a um desejo de mostrar serviço que cria essa tendência do Legislativo a criar leis inúteis e, porque não dizer, estúpidas. A bola da vez é esta aqui que obrigará restaurantes a oferecer 50% de desconto para pessoas que tenham passado por cirurgia estomacal. Preparem suas testas e suas mãos, porque elas vão querer se encontrar e não há força no mundo capaz de mantê-las separadas!

A argumentação, como pode-se imaginar, é imbecil. Segundo o senhor vereador Francisco Sellin, uma pessoa que tenha passado pela cirurgia não chega nem a consumir metade da refeição, portanto não deveria pagar o preço total. Tem tanta coisa errada nessa noção que eu não sei por onde começar, entende? Não entende? Bem, como posso dizer... ela está completamente de ponta-cabeça!

Uma pessoa que tenha se submetido a uma operação bariátrica, com certeza, come menos do que uma pessoa de estômago regular. Mas daonde isso implica no cliente pagar menos por uma porção que ele pediu? Por que efetivamente punir o restaurante por servir uma porção padrão a um cliente? Por acaso se o filho de alguém não comer as verduras do prato, tem direito a desconto também?

Perceba o problema que o senhor Sellin obviamente não percebeu: não dá pra reaproveitar um prato, a não ser que você queira ter seu estabelecimento interditado pela inspeção sanitária. Logo, se o restaurante dá um desconto de 50% pra alguém que tenha comido só metade do prato(e, imagino, apresentado um atestado médico que comprove a redução de estômago), ele perdeu metade do prato de graça. Logo, ninguém ganha nada e quem perde é o restaurante. Mas isso não é nem a pior parte...

O pior é que, na matéria falando sobre esse projeto de lei tapa-buraco vagabundo temos depoimento de pessoas que tiveram o estômago reduzido muito mais sensatas que o senhor vereador aí. Primeiro, um comerciante que dá um depoimento positivo sobre a medida, mas logo depois dá uma solução ótima para seu problema: é só ir em locais que sirvam porções menores! Pronto. Não tem que ficar botando aviso nem criando burocracia pra emitir comprovante de cirurgia e, melhor ainda, nem precisa desperdiçar comida nem complicar a vida de ninguém!

E depois temos a palavra de uma pessoa que seria beneficiada pela lei e discorda dela veementemente. Venhamos e convenhamos, quando uma pessoa que seria beneficiada pelo seu projeto discorda dele, deve ter alguma coisa errada...

Enfim: leis imbecis, mais um aspecto do nosso cotidiano brasileiro abençoado por deus. E sendo muito sincero, espero que essa lei não seja aprovada, porque sinceramente? Esses vereadores tem mais é que arrumar louça pra lavar ao invés de ficar criando lei bisonha nesse estilo!