Bom, eu já falei do 3DS, vamos falar agora daquele que é, no momento, seu grande título: Legend of Zelda: Ocarina of Time 3D. E continuará sendo, até sair Starfox 3D daqui a pouco.

Ocarina of Time é um jogo que dispensa apresentações, mas eu estou aqui pra fazer meu trabalho, então... Ocarina of Time foi o quinto jogo lançado na série "The Legend of Zelda", e é até hoje considerado o melhor de todos os Zeldas de todos os tempos. Tanto que, depois de mais onze lançamentos recebidos com o inevitável veredito de "é bom, mas não é Ocarina of Time", o pessoal da Nintendo resolveu simplesmente dar aos fãs o que eles queriam de uma vez e fazer um remake em 3D. O que estou tentando dizer é que resenhar Ocarina of Time como um jogo a ser apresentado aos novatos simplesmente não dá certo, então vou assumir que você é familiar com o jogo original a partir daqui.

Caso contrário, essas imagens devem dar uma boa idéia do que está por vir
Caso contrário, essas imagens devem dar uma boa idéia do que está por vir

Em se tratando de um remake, acho que a pergunta fundamental é: vale a pena? O remake traz alguma coisa de novo ou melhor? A coisa toda não descambou em um jogo que consegue ser pior do que o original a despeito de anos e anos de aprimoramentos tecnológicos? Bem, felizmente, a resposta da última pergunta é "não". O remake de OoT na verdade é notavelmente melhor, a começar pelos gráficos. Sim, o 3DS não é nenhum PS3, mas é um avanço enorme com relação ao Nintendo DS(que por sua vez é um pequeno avanço com relação ao Nintendo 64), e todos os cenários e personagens ganharam um ar mais... moderno, por assim dizer. E antes que perguntem: sim, o efeito 3D é impressionante. Não, não recomendo jogar em 3D o tempo todo. Não dá pra mexer a cabeça. :|

Voltando ao assunto... as capacidades do 3DS foram bem aproveitadas no jogo, a começar pelo inventório diretamente na tela debaixo, o que significa menos aquela chatice de pausar o jogo pra trocar os equipamentos. Deram até uns dois slots extra de itens(que são ativados diretamente pela tela de toque) só porque podiam. :) O sensor de movimento do 3DS contribui com um sistema de mira que (pelo menos pra mim) é bem mais confortável, rápido e preciso do que mover a mira com o controle analógico. E, em termos de interface, acho que foi só isso mesmo.

No quesito jogo, a história ainda é a mesma, óbvio. Os lugares também são os mesmos, e as dungeons continuam as mesmas. Mas os seus cabelos... O que muda são adições sutis: uma daquelas pedras fofoqueiras...

...que disponibiliza "visões do futuro", ou seja, dá dicas para os jogadores que ficarem "presos"1 no jogo. E um modo de "boss rush", ou seja, luta somente com chefões, que é acessável por meio da cama na casa do Link, que pra mim é o melhor modo de jogo possível(adoro chefões, sim). E mais uma coisa...

Como um extra, existe um segundo modo de jogo depois que se zera o modo normal. Um pouco de história: quando Wind Waker foi lançado, jogadores que comprassem na pré-venda ganhavam um disco extra contendo uma versão ultra-difícil de Ocarina of Time, chamado de "Master Quest". O modo "tenso" também está presente no Ocarina of Time 3D, com todos os mapas invertidos(o que, sim, causa um bom grau de desorientação quando você já está familiar com os mapas do jogo normal). E esta é, eu diria, a grande adição feita a Ocarina of Time em sua versão 3D, fazendo-o praticamente dois jogos pelo preço de um. Tá, um jogo e meio pelo preço de um!

Veredito final: se você já comprou um 3DS, você provavelmente é um grande fã da Nintendo, e se é um grande fã da Nintendo, provavelmente é um grande fã de Zelda. E se você é um grande fã de Zelda, Ocarina of Time 3D foi feito pra você! Em termos gerais, sem essa cadeia de pré-requisitos, Ocarina of Time é ainda melhor que o original. E, considerando que a única chance que você terá de jogar o original é se você tiver um N64 em casa(e, nesse caso, volto aos meus pré-requisitos), você provavelmente não terá outra chance de jogar o original. Logo, vale totalmente a pena.

Avaliação: 10/10


1 E antes que venham reclamar: se não fosse isso, seria GameFAQs mesmo.