Quando eu algum dia fizer uma retrospectiva dos meus melhores momentos neste blog, este figurará como um dos meus melhores títulos. (Minha melhor legenda de imagem irá, obviamente, para a segunda imagem na resenha de Bioshock Infinite) Correndo o risco de estragar a genialidade do mesmo em tempo recorde, ele é intencionalmente ambíguo quando falado. Alguns esperariam um editorial sobre "porque não ler comentários", mas na verdade eu estou dirigindo esta pergunta a um bocado de gente.

Então, por quê? O que houve? Bem, comecemos do começo...

Lá pelos idos de 2006, a Web 2.0 estava nascendo – ou chegando ao Brasil – e 50% dos blogs falava de blogs. E obviamente exaltava-se os blogs como uma nova mídia, uma que era marcada por uma bidirecionalidade que não existe na "velha mídia". Afinal, se você responde o Jornal Nacional, o Bonner nunca vai saber, mas hoje você pode dar boa noite diretamente para o dito cujo. Então tudo era lindo e o feedback imediato era a maravilha das maravilhas entre muitas outras que vinham com essa nova Web.

Pois bem, uns 7 anos depois estamos aqui e eu fico ouvindo gente – gente que era militante da Web 2.0 e Nova Mídia, aliás – proclamando esse bordão: "não leia comentários". E aí voltamos à questão fundamental: por que não?

Veja bem, eu entendo duas coisas: a primeira é que eu não tenho nem um dalton1 sequer de fama, então eu não faço idéia do que é a torrente de comentários que recebe uma pessoa importante de verdade, e muitos deles são imbecis, especialmente negativos ou muitas vezes os dois juntos. Isso também leva à minha implicância com o aparente foco que se dá a esses "haters" em detrimento dos verdadeiros fãs, mas eu falo disso outro dia. A questão é quem, para os fins aqui pretendidos, isto não importa. Igual minha opinião, em geral.

A outra coisa subentendida é que a maioria dos comentários, em geral, são, como supracitados, deploráveis. O que acontece é que a internet é meramente um retrato da humanidade – afinal das contas, quem é que está na internet além da gente e da ocasional planta que tem blog2 ? – e em geral gente estúpida fala muito alto, talvez porque imagine que falando mais alto soam mais inteligentes. Ou seja, 90% de tudo que se comenta é inútil.

Okay, mas e esses 10%? Como ficam?

Do alto – digo, do baixo – de minha posição privilegiada, eu gostaria de advogar em defesa dos 10%. Aquele leitor que curte, que pensa sobre o texto, que resolve expressar sua admiração, ou estender a discussão – afinal, novamente remetendo ao discurso 2.0, um post é apenas o início de uma discussão – ou sanar alguma dúvida, ou apenas estabelecer contato com o autor daquela obra apreciada... será condenado a ser silenciado sob um monte de lixo inútil?

Como fica o feedback imediato, o diálogo com o leitor, a via de mão dupla da grande rodovia de informação? Abandonaram-se as noções sobre as quais a nova web foi fundada quando se percebeu que, como de costume, quando o público aumenta a qualidade média começa a baixar? Entregaram a arquibancada aos vândalos e viraram as costas, ignorando que o problema não vai se resolver sozinho se ninguém incentivar os comentários que valem a pena? (Porque, obviamente, ninguém precisa de incentivo pra fazer merda)

Enfim, seria injusto – e hipócrita – não deixar a questão aberta para discussão e defesa dos anti-comentaristas, então formulário de comentários do Disqus estão aí à serventia. Aproveitem.


1 Unidade de massa que equivale a 1/12 do núcleo de um átomo de carbono.

2 Não referindo ao metafórico vegetal que digita, mas sim uma planta de verdade. No momento não acho o link.